“'I saw the sign.' Tipo aquela música do Ace of Base", diz a fotógrafa Cleonette Harris sobre seu primeiro retrato para a série Neon Paradise Los Angeles. A imagem mostra sua namorada e colaboradora, Eileen O'Brien, na frente de um grande letreiro em neon que completa perfeitamente seu vestido de zebra e cabelo amarelo. “Foi muito espontâneo. Pensamos 'Você está linda, vamos fotografar na frente desse neon.'"

Os retratos da série em andamento colocam indivíduos únicos contra os famosos letreiros iluminados de LA. Eles dão uma sensação efêmera de rolê às 3 da manhã, com visuais que evocam Party Monster (bom, pelo menos as partes boas do filme). Mas, segundo Harris, as imagens são altamente pessoais e políticas. Falamos com a artista antes da inauguração de sua exposição Neon Paradise Los Angeles na Hit Gallery, São Francisco, em 19 de maio, e ela contou um pouco sobre cada um de seus temas:

VICE: Como você escolhe quem fotografar para a série?
Cleonette Harris:

Estou focando em artistas queer e pessoas não brancas, porque sou uma artista queer e não branca e acredito que esses são grupos marginalizados. Suas imagens e histórias precisam ser documentadas. Parte do objetivo é documentar pessoas proeminentes da cena queer e underground e mostrá-las como tal, mas também como artistas e amigos.

Você também vem organizando eventos nos últimos dez anos em Los Angeles, São Francisco, Oakland e Nova York — Club Clit, Club Fist, uma festa anual John Waters — como isso se une ao seu trabalho agora?
Isso me coloca em contato com muitos artistas e performers. Muita gente que fotografei para Neon Paradise era parte dos meus eventos de um jeito ou outro — ou porque contratei, ou porque eles já frequentavam — então é uma extensão nesse sentido. Estou trazendo eles para outra forma da minha vida artística.

Qual sua abordagem para quem vai para cada letreiro?
Tento combinar certas pessoas com certos letreiros. É um processo em que tenho que me sentar e pesquisar. É tipo juntar peças. Algumas pessoas curtem muito os letreiros que escolho e outras dizem “Ah, acho que prefiro esse outro..." Às vezes as pessoas são muito exigentes. É engraçado.

Quando você começou a fotografar?

Comecei quando era mais nova. Sempre tive uma câmera. Meu pai fotografava o tempo todo e acho que peguei isso dele. Um dos meus professores de arte... Eu disse que queria ser psicóloga e ele disse “Bom, isso é como jogar tudo na privada..."

Seu professor falou isso?
Meu professor de arte, Mr. Olson. Nunca me esqueci. Foi tipo “Caramba". Mas ele me deu uma câmera e disse “Vai fotografar os veteranos na sua formatura". E eu disse “De jeito nenhum, sou muito tímida, não consigo". E ele disse “Bom, supere isso". E consegui... E fotografo desde então.

Abaixo, Harris fala um pouco sobre as fotos de Neon Paradise.

Leen, 2017. Foto: Cleonette Harris; Vestido: Eileen O’Brien

Cleonette Harris: Minha namorada Eileen O'Brien é estilista em LA. Boa parte do tempo ela está fazendo roupas ou me ajudando no styling delas. Assim ela acaba usando as fotos no seu próprio trabalho. É outra forma de apoiá-la como artista.

James Flemons, 2017. Foto: Cleonette Harris; Camisa: Phlemuns

James Flemons é um estilista de Los Angeles que se foca em reciclar jeans. Ele está usando uma peça dele aqui. Ele tem um cabelo muito anos 70, o bigode também, uma coisa bem Frolic Room. Tem alguma coisa nesse letreiro e nesse lugar que me dá uma vibe muito old school. Lá eles têm um monte de coisas vintage na decoração. Parece que esse foi um dos últimos lugares onde a Dália Negra esteve antes de morrer.

Jillian Gnarling e Hollow Eve, 2017. Foto: Cleonette Harris

À esquerda temos a Jillian Gnarling e à direita a Hollow Eve. Elas fazem drag e são artistas da comunidade queer e drag de São Francisco. O conceito por trás da foto era “Beleza, temos o letreiro da Universal — no que vocês pensam quando falam em Universal?" E eu disse “Talvez a gente pudesse fazer estrelas de cinema mortas". Então queríamos dar uma vibe Marilyn Monroe e Charlie Chaplin mortos.

As Irmãs, 2018. Foto: Cleonette Harris; Roupas e styling: Eileen O’Brien

Elas são três irmãs. Bobbie, no meio, é estilista e modelo, Sohiala, esquerda, faz música, e a irmã à direita é a Ajia.

JAJA, 2017. Foto: Cleonette Harris; Luvas e vestido: Eileen O’Brien

JaJa é uma mulher trans e rapper que mora em Los Angeles. Tem alguma coisa nela que diz “Posso dançar aqui, fazer alguns truques e você não vai conseguir parar de olhar". Acho ela muito cativante, então tive que tirar a foto dela nesse lugar: Seventh Veil Strip Club em Hollywood. Sempre que fotografo lá alguém vem encher o saco, mas a gente não liga. Sempre fazemos as fotos. Você pode ver que o rosto dela é muito forte e que ela não leva desaforo pra casa — como mulher trans, ela tem que aguentar muita coisa.

Austyn Rich, 2018. Foto: Cleonette Harris

Adoro essa foto. Advinha por quê? Olha ele! Ele é superbombado. Ele é musculoso, dançarino e malha. Ele é um dançarino incrível. Vi o letreiro e pensei “Quem será que posso fotografar aqui? Bom, tem que ser o Austyn Rich". No começo eu não queria que ele fizesse pose. Mas achei que seria divertido se ele fizesse tipo “OK, deixa eu mostrar meus músculos porque estou na frente do letreiro 'beefy' do Arby's".

Neon Music, 2018. Foto: Cleonette Harris; Vestido: Eileen O’Brien

Essa é a Neon Music. Na verdade ela é de Nova York. A contratei para um show no Club Fist, acho que uns dois anos atrás. Ela faz música, já teve bandas e agora está num projeto solo. Ela também é DJ e estilista. Ela também é uma mulher trans. Ela é uma figura muito importante na cena punk e queer. Para esse letreiro achamos que seria legal fazer um momento onça. Ela tem uma personalidade muito forte. Muito glam. Ela tem essa vibe rockstar clássica. E considerando que a Vivienne Westwood é uma estilista tão icônica de toda a estética punk, achei que seria perfeito.

Sesen D., 2018. Foto: Cleonette Harris; Vestido e jaqueta: Eileen O’Brien

Essa é a Sesen D., modelo, usando uma jaqueta e vestido da minha namorada com os cristais no peito que são marca registrada dela. Parece que ela foi penhorar o anal de noivado dela, né? Fica aberto para interpretações.

Dad e Lizard, 2018. Foto: Cleonette Harris

Esse é o Circus Liquor de North Hollywood, que fica descendo a rua da minha casa. O letreiro aparece num dos meus filmes favoritos, As Patricinhas de Beverly Hills. São Lizard e Dad, duas pessoas muito fashion. Elas já fizeram drag no meu clube algumas vezes. Elas são muito boas quando se trata de styling, maquiagem e tudo mais. Eu queria fazer uma coisa meio glam mas também palhaço. Tipo “Vamos nos misturar como se vocês estivessem curtindo com amigos". Elas fizeram sua melhor performance de palhaço. Elas não queriam fazer uma maquiagem pesada, então fizeram um palhaço mais light.

Celeste XXX, 2018. Foto: Cleonette Harris

Celeste X.X.X. é uma grande amiga minha e da minha namorada. Ela usou as lentes de contato como se estivesse tendo um momento psíquico. Imagine a Raven-Symoné em As Visões da Raven, quando ela pensa tipo “Caralho, acabei de ver o futuro". Algo assim. E a Celeste também tem poderes psíquicos – então ficou perfeito. Ela trabalha com maquiagem e também com música.

Clarys, 2018. Foto: Cleonette Harris; Body, luvas e estola: Eileen O’Brien

A Clarys Biagi é dançarina. Ela participou de um dos novos clipes da Janelle Monáe, já dançou para a Beyoncé, e ela e a minha namorada estão trabalhando agora com a Eve em looks para o LA Pride Festival, porque ela vai se apresentar lá. Adoro colocar vermelho e verde juntos. As pessoas me zoam por causa disso, tipo “Parece uma árvore de Natal", e eu digo “Claro que não".

Siga a VICE Brasil  no Facebook  , Twitter  , Instagram   e YouTube  . 

Vía vice | Ver post original